Saúde: Secretária de saúde realiza o mutirão do Glaucoma em Prado.


18197556_1446336875446832_1500647728_n

A prefeitura municipal de Prado, através da secretária de saúde realizou nos dias 28 e 29 de abril mais um mutirão do Glaucoma.

O evento ocorreu na própria sede da prefeitura municipal, que envolveu atendimento médico e entrega de remédios aos pacientes com a doença e devidamente cadastrados.

18197935_1446336618780191_1609650160_n

O secretário de saúde Luciano Mota frisou a importância da realização do mutirão já que a cidade de prado mostrou uma quantidade elevada de pacientes com o Glaucoma.

O mutirão está em sua 6° edição e conta com médicos, enfermeiros e demais profissionais da área de saúde.

18197412_1446332958780557_837736079_n

Glaucoma é uma designação genérica a um grupo de doenças oculares distintas que provocam danos ao nervo ótico e perda da visão. O tipo mais comum é o glaucoma de ângulo aberto, e os menos comuns são o glaucoma de ângulo fechado e glaucoma de pressão (ou tensão) normal. O primeiro tipo desenvolve-se lentamente e é assintomático durante a maior parte de sua evolução. Com o tempo, entretanto, a visão periférica do indivíduo acometido começa a ficar comprometida e ocorre um estreitamento progressivo do campo visual, evoluindo a visão tubular ou central e, se não houver tratamento, cegueira. Já o glaucoma de ângulo fechado pode cursar de forma crônica ou aguda[3]. A apresentação aguda pode envolver dor ocular intensa, cefaleia, visão turva, halos coloridos, náusea e vômitos[1][3][4]. A perda da visão pelo glaucoma, uma vez que tenha ocorrido, é permanente.

Os fatores de risco ao glaucoma incluem o aumento da pressão intraocular (PIO), histórico familiar, enxaqueca, hipertensão arterial e obesidade[1]. Indivíduos com PIO superior a 21 mmHg ou 2,8 kPa são considerados hipertensos oculares e, portanto, com maior risco de desenvolver glaucoma. Entanto, alguns podem ter PIO aumentada durante anos sem desenvolver nenhum dano[3]. Por outro lado, danos ao nervo ótico podem ocorrer com PIO dentro dos limites da normalidade, no chamado glaucoma de pressão normal. Crê-se que o mecanismo que desencadeia o glaucoma de ângulo aberto seja uma obstrução do escoamento do humor aquoso através da malha trabecular, enquanto que no glaucoma de ângulo fechado a dilatação da pupila bloqueia o fluxo do fluido através dela, levando à íris bloquear a malha trabecular[3]. O diagnóstico é feito pelo exame de fundo de olho, que mostra um aumento da escavação do disco ótico, indicando dano ao nervo ótico.

Se tratado precocemente, é possível retardar ou frear a progressão da doença, utilizando-se terapia medicamentosa, tratamento a laser ou cirurgia com o objetivo de reduzir a PIO. Tratamentos a laser podem ser eficazes, tanto nos glaucomas de ângulo aberto, quanto nos de ângulo fechado. A intervenção cirúrgica somente é utilizada em indivíduos que não respondem adequadamente aos outros tratamentos. Os casos de glaucoma de ângulo fechado devem ser tratados como emergência médica.

Vídeo: veja a ação dos dos médicos e profissionais da área de saúde no combate ao Glaucoma